Ombro

Ombro

O que é?

Luxação é o deslocamento de um osso da articulação, que provoca o seu desligamento com os outros componentes dessa mesma articulação. A Luxação do Ombro ou Luxação da Articulação do Ombro ocorre quando o úmero e a escápula, dois dos três ossos que compõem a articulação do ombro, se desconectam, e resultam no popular “ombro fora do lugar” ou “ombro deslocado”, que causa muita dor no ombro e limita os movimentos da região.

É muito comum que as luxações sejam confundidas com as subluxações. As subluxações são as situações em que o úmero se desloca, mas volta para o lugar logo em seguida, provocando fortes dores na região e, em alguns casos, lesões nos tecidos da mesma região. No entanto, a subluxação é menos grave do que uma luxação.

Existem dois tipos possíveis de luxações do ombro. O tipo mais comum é a luxação anterior, quando o úmero é deslocado para frente. Ocorrendo com maior raridade, e representando menos de 10% dos casos diagnosticados, o deslocamento posterior ocorre quando o úmero é deslocado para trás, em direção às costas.

Quais as causas?

A luxação na região do ombro ocorre quando é exercida sobre a articulação, uma força maior do que esta é capaz de suportar, deixando o ombro deslocado. Isso pode ser causado por diversos fatores, dentre eles, é possível destacar a prática de esportes que exijam grande esforço e movimentação da área, como natação, tênis, voleibol, artes marciais e até mesmo a musculação, já que é muito comum os casos de lesões no ombro ocasionadas dentro de academias por excesso de peso e pela execução incorreta dos exercícios para os membros superiores.

Por outro lado, as lesões podem ser ocasionadas por “choques” e atritos em qualquer outra atividade física, como no futebol, na dança e na corrida. O levantamento de objetos pesados no cotidiano, como caixas, eletrodomésticos e sacolas, também pode ser perigoso.

Além disso, as quedas e movimentos bruscos e, até mesmo impactos contra objetos, como contra mesas, portas ou paredes, também podem resultar em um ombro deslocado. Outras causas possíveis são os acidentes automobilísticos, as convulsões e os choques elétricos, que são os principais causadores da forma mais rara da luxação do ombro, a posterior.

Qual é o grupo de risco?

Os indivíduos que são mais afetados por esse tipo de problema são as pessoas da terceira idade que apresentam enfraquecimento ou perda da massa muscular e, consequentemente, uma sobrecarga nas articulações ao realizar levantamento de objetos pesados, assim como pessoas de qualquer faixa etária que trabalhem com materiais pesados, como pedreiros e açougueiros. O grupo de risco também é composto por atletas e levantadores de peso, como os Bodybuilders, uma categoria esportiva que está em alta na atualidade.

Quais os sintomas?

Os sintomas clássicos são dor no ombro com possível irradiação para a região do braço e pescoço, inflamação, dormência, fraqueza, hematomas, formigamentos, inchaços, instabilidade do ombro, deformação da região, sensação de ombro deslocado e a restrição ou impossibilidade de movimentos devido ao ombro estar fora de lugar, incapacitando essa articulação.

Ao lesionar o ombro, este fica frágil e, principalmente, dolorido e muito suscetível a falhas, o que explica a sensação de ombro deslocado e a instabilidade do mesmo. Essas falhas são comuns na tentativa de carregar objetos com o ombro machucado, o que faz com que o membro não tenha a força necessária para realizar o movimento. Além disso, é comum que as pessoas com esse problema sintam dores parecidas com pontadas na região da lesão, que podem variar entre leves, moderadas, fortes, e extremamente agudas.

Por outro lado, a dor, o inchaço e a fraqueza do ombro causam restrições na movimentação. A fraqueza impede que o ombro levante peso, já que a articulação lesionada não consegue trabalhar normalmente, e a dor faz com que o indivíduo interrompa o movimento, conscientemente ou não.

Como é determinado o diagnóstico?

Ao identificar os sintomas descritos acima, é necessário procurar, de forma rápida, um médico especializado na área, no caso, um ortopedista especialista em ombro. O diagnóstico médico é feito através de avaliação clínica e radiológica da região do ombro afetado.

Na avaliação clínica, o profissional vai examinar os sintomas, perguntar onde dói, e avaliar se o ombro está plano no lado afetado, e outras características de um ombro luxado. Caso necessário, ele pedirá uma radiografia, que verifica a separação dos ossos da articulação, ou até lesões nos ligamentos. Em alguns casos o médico também pode solicitar exames de ressonância nuclear magnética para uma melhor avaliação de possíveis lesões nos tecidos.

Determinado o diagnóstico, qual o tratamento mais indicado?

Após a confirmação do diagnóstico médico, a primeira coisa a ser feita, o mais rápido possível, é colocar o ombro no lugar por meio de um procedimento médico chamado Redução de Ombro, com o uso de analgésicos, infiltração ou anestesia, caso seja necessário. É importante ressaltar que esse procedimento deve ser feito por um especialista, e não deve ser feito por amadores. Em seguida, deve ser realizado outro exame de radiografia para confirmar se a redução foi realizada de forma correta e eficiente. O uso de tipoia é necessário por tempo determinado pelo médico responsável pelo caso, para que o paciente não force a região no período de tratamento.

O ombro fora do lugar possui diferentes intensidades e gravidades. Dependendo da gravidade do deslocamento, o tratamento pode ir de imobilização e sessões de fisioterapia nos casos menos graves, e pode chegar até uma cirurgia de ombro para os casos mais graves e severos, em que os músculos, ligamentos e tendões são rasgados ou muito esticados, e os nervos e vasos sanguíneos que envolvem a articulação são danificados.

A cirurgia pode ser feita por via artroscópica, um método menos invasivo, no qual são realizados 3 ou 4 furos pequenos, ou por via aberta, em casos de lesões mais fortes, que é um procedimento um pouco mais invasivo, chamado de Cirurgia de Bristow ou de Latarjet, ou popularmente chamada de Bloqueio Ósseo.

No processo de fisioterapia, o paciente realizará diversos exercícios de fortalecimento e alongamento para aliviar as dores do ombro fora do lugar e reverter a instabilidade do ombro, recuperando todos os movimentos naturais do membro.

Mais informações

Dependendo da gravidade da luxação, após um primeiro deslocamento, a pessoa torna-se mais suscetível à reincidência e ao desgaste articular , obtendo maior instabilidade do ombro. Em casos de subluxações recorrentes, deve-se procurar um médico ortopedista, visto que a reincidência pode levar a casos mais graves.

Quando ocorre o deslocamento do ombro, é possível realizar algumas ações de primeiros socorros ainda no local. Essas ações podem ser não forçar ou tentar movimentar o membro afetado, improvisar uma tipoia com o objeto disponível, como um cinto, para imobilizar a articulação, aplicar uma compressa gelada para aliviar a dor no ombro e, o mais importante, procurar um médico.

Clínica Memorial

Av. Santo Antônio, 53
Jardim Nomura - Cotia - SP
CEP: 06716-710

Fone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Fax: (11) 4148-2572

Horário de atendimento

Atendimento médico
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Fisioterapia
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Academia
Segunda a sexta - 08h00 às 20h00

Responsável Técnico

Dr. Luis Antonio Buendia
CRM: 79752
Ortopedia e Traumatologia
Cirurgia da mão

Dúvidas?

Fale com um de nossos atendentes.

Por telefone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Ou clique aqui e faça sua pergunta.