Mão

Mão

Fraturas do antebraço estão entre as fraturas mais comuns em crianças, representando 40 a 50 por cento de todas as fraturas da infância. A maioria destas fraturas irá ocorrer em crianças com mais de cinco anos. São 3 vezes mais comuns nos meninos. O mecanismo geralmente é a queda. Causam dor na porção distal do antebraço e limitação do movimento do punho e da mão. A deformidade depende do grau de desvio da fratura que pode ser avaliada pela radiografia em ântero-posterior e lateral.

Fraturas do antebraço estão entre as fraturas mais comuns em crianças, representando 40 a 50 por cento de todas as fraturas da infância. A maioria destas fraturas irá ocorrer em crianças com mais de cinco anos. São 3 vezes mais comuns nos meninos. O mecanismo geralmente é a queda. Causam dor na porção distal do antebraço e limitação do movimento do punho e da mão. A deformidade depende do grau de desvio da fratura que pode ser avaliada pela radiografia em ântero-posterior e lateral.

Sintomas

  • O sintoma mais importante da fratura é a dor imediata produzida pelo trauma, a qual se acentua com o movimento ou com a compressão da região afetada.
  • Em alguns casos, há deformidade aparente após o trauma.
  • O inchaço (edema) é comum, mas não fundamental.
  • Às vezes surgem hematomas (manchas violetas) na pele, que representam um sangramento interno. Isso, porém, não é motivo para alarme.
  • Em certas situações, verifica-se uma movimentação anormal do osso no local da fratura, acompanhada de barulho ou sensação de raspar.

Causas

O trauma necessário para provocar uma fratura nem sempre é violento. Um tropeço seguido de queda ao chão pode ser suficiente. A maioria das fraturas está relacionada a quedas no ambiente doméstico

Caso testemunhem o acidente, os pais ou responsáveis devem relatar ao médico a situação e a forma como a criança caiu ou foi atingida.

Tratamento

  • Imobilização: em sua maioria, as fraturas podem ser tratadas de maneira conservadora, com imobilização por tempo adequado. Devido a sua capacidade de remodelação, as pontas fraturadas não precisam estar em contato total e encaixe perfeito: desvios são aceitáveis, conforme as características do osso, a localização da fratura e a idade da criança.
  • Redução: algumas fraturas com desvio necessitam ser reduzidas (ou seja, colocadas no lugar). Isso pode ser feito sob anestesia geral, local, regional ou, em alguns casos, sem a ajuda de anestésicos. Nessa última modalidade, o ortopedista aplica uma manobra rápida para a redução da fratura. Embora pareça agressivo, esse método dispensa, além da anestesia, a internação, e faz a dor passar muito rapidamente. A decisão sobre o método da redução, porém, deve levar em consideração diversos fatores como idade da criança, tempo de jejum, tipo da fratura, osso fraturado e aceitação pelo paciente e pelos pais.
  • Cirurgia: certas fraturas exigem cirurgia para o adequado posicionamento dos fragmentos da fratura e/ou fixação. Esta é obtida com a utilização de materiais como pinos, hastes, placas ou fixadores. Em determinados casos, não há necessidade de cortes: a fratura pode ser fixada com pinos que atravessam pela pele. Também requerem procedimento cirúrgico lesões que afetam a articulação, que atingem a placa de crescimento, fraturas expostas e casos nos quais se verifica ferimento da artéria (onde se percebem alteração da cor da extremidade do membro ou perda do pulso).

 

Fonte: Dr. Luis Antonio Buendia (Ortopedia e traumatologia - Cirurgia da mão)

Clínica Memorial

Av. Santo Antônio, 53
Jardim Nomura - Cotia - SP
CEP: 06716-710

Fone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Fax: (11) 4148-2572

Horário de atendimento

Atendimento médico
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Fisioterapia
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Academia
Segunda a sexta - 08h00 às 20h00

Responsável Técnico

Dr. Luis Antonio Buendia
CRM: 79752
Ortopedia e Traumatologia
Cirurgia da mão

Dúvidas?

Fale com um de nossos atendentes.

Por telefone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Ou clique aqui e faça sua pergunta.