Infantil

Infantil

O andar na ponta dos pés é uma condição que ocorre em algumas crianças quando elas começam a andar. Apesar de poder ser corrigida de maneira simples, ela pode estar relacionada a problemas neurológicos, daí a importância de consultar um ortopedista infantil.

 

Uma das grandes emoções da vida dos pais de crianças pequenas é, sem dúvida, o momento em que os filhos começam a andar. Os primeiros passos costumam ser históricos para as famílias que registram tudo em fotos e vídeos. Entretanto, logo após o começo dessa atividade, é preciso acompanhá-los de perto e ficar de olho no modo de andar das crianças. Andar na ponta dos pés, muitas vezes, é um acontecimento temporário que acontece devido ao corpo da criança ainda estar descobrindo e entendendo a atividade que está praticando.

A marcha na ponta dos pés é comum entre 11 meses e um ano – quando a maioria das crianças começa a andar – e é considerada normal até um e meio. Entretanto, após algum tempo que a criança já consegue andar sozinha, é necessário observar se ela ainda tem o hábito de andar na ponta dos pés e, caso se configure uma situação nesse sentido, é preciso procurar um ortopedista infantil.

Causas

O andar na ponta dos pés (também conhecido como marcha equina) está relacionado a alguns detalhes, tais como a imaturidade do sistema nervoso central do paciente, fazendo com que não haja a coordenação motora específica para que a criança consiga andar da maneira correta. Porém, nesse caso, a criança anda na ponta dos pés de maneira espontânea e, na maioria das vezes, o problema é corrigido com o tempo.  

O profissional precisará analisar inúmeras informações sobre o paciente como, por exemplo, se houve um nascimento prematuro, se a criança teve alguma dificuldade respiratória no momento do parto, se ela precisou ficar internada em uma UTI neonatal, entre outros detalhes. Essas características costumam ter relação com o fato de andar na ponta dos pés, já que podem indicar algum problema cerebral que afeta a coordenação motora da criança. Entretanto esses casos de problemas neuromusculares são raros.

A comunidade médica já chegou a um consenso de que esse tipo de situação é comum até os cinco anos de idade e, quando passa desse período, é preciso realizar alguns exames que possam detectar as causas não naturais que possam gerar alterações de marcha, que também pode estar associada à fraqueza muscular ou até mesmo a um encurtamento do tendão de Aquiles.

Diagnóstico

O ortopedista infantil será o responsável por cuidar do processo de diagnóstico para encontrar alguns problemas como, por exemplo, o encurtamento do tendão de Aquiles. Com apenas o exame físico já é possível detectar o problema. Já nos casos mais graves que possam ter relação com problemas neurológicos, são solicitados outros exames mais específicos para o caso.

Um ponto relevante para os pais de primeira viagem é a questão que envolve o uso de andadores. Esse acessório costuma ser útil para incentivar o equilíbrio e a autonomia da criança, mas se for usado em demasia pode acabar resultando na marcha equina.

É possível que alguns médicos não recomendem o uso desse tipo de acessório, visando evitar que aconteçam alterações de marcha. Se, mesmo assim, os responsáveis quiserem oferecer essa experiência para seus filhos é importante não deixar que o uso do andador vire um hábito.

Tratamento

O tratamento para as alterações de marcha pode ser tanto conservador, quanto cirúrgico. No tratamento conservador, o paciente passará por sessões de fisioterapia com o objetivo de alongar o tendão e a panturrilha. A fisioterapia também serve para treinar a criança para andar da maneira correta. Em alguns casos específicos, pode ser que ainda haja o uso de toxina botulínica (Botox), com o objetivo de relaxar os músculos da perna para que o calcanhar possa alcançar o chão durante o caminhar.

Já no tratamento cirúrgico, que é feito apenas quando não o tratamento conservador não surtiu efeito ou não é uma opção, alonga-se o tendão da criança, garantindo que ela tenha uma recuperação total. O pós-operatório da cirurgia faz apenas o uso de órtese e de sessões de fisioterapia, recomendadas pelo ortopedista infantil.

É fundamental que os pais não entendam a questão da marcha equina como uma atividade feita pela criança por brincadeira. Trata-se de um problema que precisa de ajuda especializada e o paciente não tem culpa do que está acontecendo. O ideal é procurar um ortopedista infantil o quanto antes e entender a condição do paciente para realizar o tratamento adequado.

Clínica Memorial

Av. Santo Antônio, 53
Jardim Nomura - Cotia - SP
CEP: 06716-710

Fone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Fax: (11) 4148-2572

Horário de atendimento

Atendimento médico
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Fisioterapia
Segunda a sexta - 08h00 às 18h00

Academia
Segunda a sexta - 08h00 às 20h00

Responsável Técnico

Dr. Luis Antonio Buendia
CRM: 79752
Ortopedia e Traumatologia
Cirurgia da mão

Dúvidas?

Fale com um de nossos atendentes.

Por telefone:
(11) 4616-0406 (WhatsApp)
(11) 4148-8843
(11) 4148-2572
(11) 4206-4376

Ou clique aqui e faça sua pergunta.